Pular para o conteúdo

Borboletas: polinizadores essenciais

A conservação das borboletas pode ter um impacto significativo na melhoria do meio ambiente e também na qualidade de vida das pessoas no futuro. Para muito além de belas, são polinizadores essenciais como as abelhas.

Os polinizadores são essenciais para a manutenção do meio ambiente. Através desse processo, as flores são fecundadas e assim, propiciam o surgimento de novas plantas além de ajudarem muito na produção de alimentos.  Há diferentes agentes polinizadores como a água e o vento, porém os animais são os mais importantes nessa tarefa.

A polinização é realizada por diversas espécies de animais, sendo que borboletas ocupam o terceiro lugar na lista dos animais mais importantes para esse processo, atrás apenas de abelhas e besouros.

Embora carreguem menos pólen em comparação às abelhas, as borboletas podem percorrer longas distâncias e conseguem alcançar grandes áreas naturais, ajudando na variação genética das plantas. Essa diversidade genética favorece a criação de plantas mais resistentes ao surgimento de pragas e doenças. Por isso, a produção de alimentos também depende muito desse inseto.

A quantidade de borboletas em uma plantação é, frequentemente, um indicador qualitativo de um ecossistema. Os motivos são que esses insetos são um importante componente de uma cadeia alimentar, como predadores e presas ao mesmo tempo; também são muito sensíveis às mudanças de um ambiente. Além disso, algumas espécies se alimentam de pragas, o que ajuda e permite que uma plantação prospere.

É crucial aumentarmos nossa consciência sobre o impacto que exercemos no meio ambiente, uma vez que não apenas nós e as borboletas, mas também abelhas e todas as criaturas nativas se beneficiarão com nossas práticas ambientais saudáveis. É imprescindível preservá-las! Portanto, lembre-se: jamais capture ou mantenha uma borboleta em cativeiro. O habitat delas é na natureza.

Se quiser apreciá-las mais de perto, venha visitar o Borboletário de São Paulo!

Artigo por Maria Clara Montanha

Fontes: DunaPress e FioCruz